sábado, 22 de agosto de 2015

À noite todos os gatos são pardos

Uma rápida passeada pelas redes sociais e logo noto que muitos daqueles que até anteontem julgavam como tresloucadas as ações da Operação Lava Jato, agora estão eufóricos e se regozijando com as denúncias contra Eduardo Cunha.

Todavia, essas denúncias foram feitas pela mesmíssima Operação Lava Jato tão demonizada por aqueles que consideram injustas e perseguição política, talvez até parte de um golpe, as denúncias e a subsequente prisão, por exemplo,  do ex-ministro José Dirceu e do ex-tesoureiro do Partido dos Trabalhadores João Vaccari Neto. 

Oras, os mesmos que reclamam da seletividade da mídia oligopolizada quando esta trata dos famosos, e já quase enfadonhos,  escândalos de corrupção  – e nisso têm toda a razão – por parecerem  ser sempre culpa de um único partido,  no caso o PT, e omitem casos semelhantes ocorridos nas fileiras do PSDB,  são os mesmos que agora utilizam do subterfúgio da seletividade para julgar quem meteu e quem não meteu a mão na cumbuca da Petrobras.

Esquecem-se eles que se  o desprezível  Eduardo Cunha foi um dos muitos a se beneficiar de dinheiro retirado da Petrobras – uma estatal e, portanto, detentora de recursos públicos – isso ocorreu segundo as denúncias do procurador-geral da República em período recente,  período em que o PT já estava a frente do governo federal.

Pré-julgar Eduardo Cunha – de longe o pior presidente que um dos poderes da República teve desde a redemocratização e porta-voz  do que há de mais conservador e muitas vezes reacionário em nossa sociedade – se esquecendo que no fundo ele faz parte do mesmo esquema de corrupção que encharcou muitos “companheiros” é duma hipocrisia tosca que nem se dá ao trabalho de ser minimamente sofisticada. 

Pré-julgar Eduardo Cunha –  um sujeito que não merece respeito algum por quem baseia a vida em valores éticos e enxerga a Democracia como um bem a ser defendido todos os dias – se esquecendo que ele “apenas” soube  se aproveitar das benesses que a Petrobras dava aos políticos “aliados”, é querer tapar o astro-rei com a peneira enquanto chama todos os  brasileiros de idiotas.

Na mesma lama que chafurda Eduardo Cunha, também estão Fernando Collor – será que o ex-presidente é merecedor da solidariedade dos novos “companheiros”? –  José Dirceu,  João Vaccari Neto e muitos outros considerados pelos neopetistas e petistas chapa-branca  heróis do povo brasileiro.

É fato que a Operação Lava Jato tem tido arroubos e excessos em quantidade preocupante e igualmente é fato que um juiz de primeira instância tem se portado como celebridade enquanto veste a capa de paladino da Justiça. Porém, não podemos jogar fora o bebê junto com a água do banho.  Os  efeitos que a Lava Jato pode  ter ao desvendar uma teia de corrupção que até então nos parecia invisível, ainda não são mensuráveis.

Quanto aos neopetistas e  petistas chapa-branca, no fundo dá até pra entender sua seletividade, afinal,  costumam pensar com o estômago e não com a cabeça. 

3 comentários:

Alexandre Guimarães disse...

Sempre disse que um erro não justifica o outro, não é porque outros partidos anteriores cometeram ilícitos criando se assim precedentes, que teríamos o direito de repetir tais erros, o fato é que os fatos ocorreram, estão a fazer provas, sendo apurados; agora serão julgados, entretanto não podemos chamá-los de culpados( isso inclui Eduardo Cunha) sem antes o devido processo legal e ampla defesa. Porém não faço uma defesa cega e sem fundamentos do PT, há sim filiados ( da alta cúpula) que se corromperam, deixaram se seduzir pelo poder e suas benesses, pelos prazeres (pequeno burgueses), confortos etc.Porém quando cita no texto os fiados chapas branca, esses eu entendendo, o porque não fazem críticas, não se rebelam contras os pseudos esquerdistas que se acham a elite do partido; entendendo por um princípio Cristão,possuem suas contas a pagar,comida,luz, água, energia caríssima por sinal, de fato compreendo esse silêncio quase forçado.Agora o que de fato me irrita, são os pseudos militantes , mais preocupados em manter suas portarias do que com compromisso partidário, cheios de teses vãs, cheios de preconceitos e manias pequenas burguesas, que odeia as atividades junto as bases partidárias, com seus celulares e bolsas caras, que só aparecem em atos quando intimados ( não se misturam ao povo),quando aparecem se recusam a panfletar ou segura bandeiras.No bem da verdade, queriam ser burgueses, adoram o mundo deles, vestem,comem,imitam e desejam a vida burguesa, são verdadeiros pseudos militantes, que acharam no partido o meio mais fácil e rápido de ascenderem economicamente, sem produzir nada logicamente; não há nenhuma dignidade neles, torço para que o partido sobreviva a eles; e cumpra seu verdadeiro papel de vanguarda das massas.

hudson luiz vilas boas disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
hudson luiz vilas boas disse...

Incrível Alexandre!!! Sem falsos elogios, não é à toa que te tenho em altíssima consideração. Realmente os pseudo-manifestantes, que inclusive preferem pagar pra arranjar meia dúzia de gatos pingados dispostos a segurar bandeiras ao invés de sentar com os movimentos sindicais e populares, não são sintoma e sim a causa do distanciamento em que o PT se encontra da sociedade.
É papel da esquerda hoje defender o legado positivo dos anos PT a frente do governo federal. Entretanto ao mesmo tempo, e tão importante quanto, mostrar que os avanços são reais mas insuficientes e que ela não comunga com a rede de corrupção que o PT espalhou pelo Brasil.
Fiquei feliz em vê-lo na manifestação de quinta-feira, você foi dos raros a estar ali por consciência política e verdadeiramente em defesa da Democracia.
Parabéns pela ato!!!