quinta-feira, 22 de julho de 2010

De João Ubaldo Ribeiro para FFHH

Não é do meu costume bater em ‘cachorro morto’, mas essa carta de João Ubaldo Ribeiro sobre uma eventual pretensão do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso de se candidatar a Academia Brasileira de Letras não pode passar batida por mais tempo.

Triste o inverno de FFHH. Depois dos oito anos de governo em que prestou sacrifícios e se vergou perante o deus – de barro – Mercado, sendo reconhecido pelo povo brasileiro como um dos períodos sociais e econômicos mais tristes de nossa história, FFHH agora é enjeitado pelos próprios pares e ex-discípulos. É como se FFHH portasse uma doença contagiosa, capaz de afastar votos.

FFHH sonhava em ser reconhecido como grande estadista e conseguiu entrar para a História como “grande entreguista”. Sonhava em ser um Churchill, um Roosevelt, mas se tornou um Quisling.

Enquanto Dilma declara-se orgulhosa de ter feito parte do governo Lula, Serra tenta esconder que fez parte do governo FFHH.

Mas, não fique triste não FFHH. Acho que essa vergonha é mal de tucano e não é nada pessoal contra o senhor. Cá em Minas Aécio e seu boneco de ventríloquo (Anastasia) sofrem de mal semelhante e querem esconder que o PSDB tem presidenciável e o nome deste é Serra.

Leiam a carta de João Ubaldo Ribeiro, retirada do Brasília, eu vi do Leandro Fortes.


Guardei, por 12 anos, em meio à minha papelada imunda de recortes de jornais e revistas velhas, numa caixa de papelão em frangalhos, um artigo de João Ubaldo Ribeiro datado de 25 de outubro de 1998, porque esperava justamente esse momento: a hora em que Fernando Henrique Cardoso, alijado da política e na iminência de cair no esquecimento público, se candidatasse a uma vaga na Academia Brasileira de Letras. O artigo, intitulado “Senhor Presidente”, foi escrito logo depois da vitória de FHC, no primeiro turno das eleições de 1998, graças ao Plano Real e à aprovação, no Congresso Nacional, da Emenda Constitucional da reeleição, conseguida à custa de um escandaloso esquema de compra de votos. O texto é pau puro e, surpreendentemente, foi escrito numa época em que a mídia nacional era, praticamente, uma assessoria de imprensa do consórcio PSDB/PFL. Não por outra razão, foi inicialmente censurado em “O Estado de S.Paulo”, para onde o cronista escrevia, embora o jornal tenha sido obrigado a publicá-lo, uma semana depois, para evitar se envolver em um escândalo de censura justo com um dos mais respeitados escritores do país. Num tempo de internet incipiente, a repercussão do artigo foi mínima, ficando restrita às redações e ao meio intelectual, de resto, também acovardado pela força do pensamento único imposto à sociedade pela imprensa e pelo governo de então.

Esse retalho jornalístico ficou comigo tanto tempo porque, no fundo, eu tinha certeza que a vaidade intelectual de FHC iria levá-lo, em algum momento, a pleitear uma vaga na ABL, como agora se noticia em notas discretas de colunas de jornal, certo de que se trata de uma confraria historicamente vulnerável a influências políticas, quando não à bajulação pura e simples, como qualquer um pode constatar, embora abrigue grandes escritores, como o próprio João Ubaldo Ribeiro. Contudo, lá também estão escribas do calibre de José Sarney e do cirurgião plástico Ivo Pitanguy. No passado, também circulavam entre os imortais o general Aurélio de Lira Tavares (codinome “Adelita), eleito em 1970, com o apoio do ditador Emílio Médici, e Roberto Marinho, das Organizações Globo. A presença de FHC, que pelo menos escreveu uns livros de sociologia não seria, portanto, um escândalo em si. O problema é o artigo de João Ubaldo.

No texto, o escritor baiano, entre outras considerações, refere-se assim a Fernando Henrique Cardoso: “(…) o senhor é um sociólogo medíocre, cujo livro O Modelo Político Brasileiro me pareceu um amontoado de obviedades que não fizeram, nem fazem, falta ao nosso pensamento sociológico”. Mais adiante, relembra um dos piores momentos da vida de FHC: “(…) o senhor, que já passou pelo ridículo de sentar-se na cadeira do prefeito de São Paulo, na convicção de que já estava eleito, hoje pensa que é um político competente e, possivelmente, tem Maquiavel na cabeceira da cama. O senhor não é uma coisa nem outra, o buraco é bem mais embaixo”.

E por aí vai, até se lembrar, a certa altura do texto, que FHC, em algum momento da vida, poderia se interessar pela vida imortal da ABL. João Ubaldo, então, cospe uma fogueira de brasas para cima de Fernando Henrique: “(…) E, falando na Academia, me ocorre agora que o senhor venha a querer coroar sua carreira de glórias entrando para ela. Sou um pouco mais mocinho do que o senhor e não tenho nenhum poder, a não ser afetivo, sobre meus queridos confrades. Mas, se na ocasião eu tiver algum outro poder, o senhor só entra lá na minha vaga, com direito a meu lugar no mausoléu dos imortais”.

Eu posso estar errado, já se passou mais de uma década, a ira de João Ubaldo pode ter se perdido na poeira do tempo, mas a julgar pelo teor do imortal artigo do escritor e jornalista baiano, FHC vai ter que pensar duas vezes antes de se candidatar a uma vaga na ABL. Ou considerar o fato de que só vai entrar lá por cima do cadáver de João Ubaldo Ribeiro. A conferir.

Abaixo o artigo completo, para quem quiser se deleitar:

Senhor Presidente – João Ubaldo Ribeiro
25 de outubro de 1998


Senhor Presidente,

Antes de mais nada, quero tornar a parabenizá-lo pela sua vitória estrondosa nas urnas. Eu não gostei do resultado, como, aliás, não gosto do senhor, embora afirme isto com respeito. Explicito este meu respeito em dois motivos, por ordem de importância. O primeiro deles é que, como qualquer semelhante nosso, inclusive os milhões de miseráveis que o senhor volta a presidir, o senhor merece intrinsecamente o meu respeito. O segundo motivo é que o senhor incorpora uma instituição basilar de nosso sistema político, que é a Presidência da República, e eu devo respeito a essa instituição e jamais a insultaria, fosse o senhor ou qualquer outro seu ocupante legítimo. Talvez o senhor nem leia o que agora escrevo e, certamente, estará se lixando para um besta de um assim chamado intelectual, mero autor de uns pares de livros e de uns milhares de crônicas que jamais lhe causarão mossa. Mas eu quero dar meu recadinho.

Respeito também o senhor porque sei que meu respeito, ainda que talvez seja relutante privadamente, me é retribuído e não o faria abdicar de alguns compromissos com que, justiça seja feita, o senhor há mantido em sua vida pública – o mais importante dos quais é com a liberdade de expressão e opinião. O senhor, contudo, em quem antes votei, me traiu, assim como traiu muitos outros como eu. Ainda que obscuramente, sou do mesmo ramo profissional que o senhor, pois ensinei ciência política em universidades da Bahia e sei que o senhor é um sociólogo medíocre, cujo livro O Modelo Político Brasileiro me pareceu um amontoado de obviedades que não fizeram, nem fazem, falta ao nosso pensamento sociológico. Mas, como dizia antigo personagem de Jô Soares, eu acreditei.

O senhor entrou para a História não só como nosso presidente, como o primeiro a ser reeleito. Parabéns, outra vez, mas o senhor nos traiu. O senhor era admirado por gente como eu, em função de uma postura ética e política que o levou ao exílio e ao sofrimento em nome de causas em que acreditávamos, ou pelo menos nós pensávamos que o senhor acreditava, da mesma forma que hoje acha mais conveniente professar crença em Deus do que negá-la, como antes. Em determinados momentos de seu governo, o senhor chegou a fazer críticas, às vezes acirradas, a seu próprio governo, como se não fosse o senhor seu mandatário principal. O senhor, que já passou pelo ridículo de sentar-se na cadeira do prefeito de São Paulo, na convicção de que já estava eleito, hoje pensa que é um político competente e, possivelmente, tem Maquiavel na cabeceira da cama. O senhor não é uma coisa nem outra, o buraco é bem mais embaixo. Político competente é Antônio Carlos Magalhães, que manda no Brasil e, como já disse aqui, se ele fosse candidato, votaria nele e lhe continuaria a fazer oposição, mas pelo menos ele seria um presidente bem mais macho que o senhor.

Não gosto do senhor, mas não tenho ódio, é apenas uma divergência histórico-glandular. O senhor assumiu o governo em cima de um plano financeiro que o senhor sabe que não é seu, até porque lhe falta competência até para entendê-lo em sua inteireza e hoje, levado em grande parte por esse plano, nos governa novamente. Como já disse na semana passada, não lhe quero mal, desejo até grande sucesso para o senhor em sua próxima gestão, não, claro, por sua causa, mas por causa do povo brasileiro, pelo qual tenho tanto amor que agora mesmo, enquanto escrevo, estou chorando.

Eu ouso lembrar ao senhor, que tanto brilha, ao falar francês ou espanhol (inglês eu falo melhor, pode crer) em suas idas e vindas pelo mundo, à nossa custa, que o senhor é o presidente de um povo miserável, com umas das mais iníquas distribuições de renda do planeta. Ouso lembrar que um dos feitos mais memoráveis de seu governo, que ora se passa para que outro se inicie, foi o socorro, igualmente a nossa custa, a bancos ladrões, cujos responsáveis permanecem e permanecerão impunes. Ouso dizer que o senhor não fez nada que o engrandeça junto aos corações de muitos compatriotas, como eu. Ouso recordar que o senhor, numa demonstração inacreditável de insensibilidade, aconselhou a todos os brasileiros que fizessem check-ups médicos regulares. Ouso rememorar o senhor chamando os aposentados brasileiros de vagabundos. Claro, o senhor foi consagrado nas urnas pelo povo e não serei eu que terei a arrogância de dizer que estou certo e o povo está errado. Como já pedi na semana passada, Deus o assista, presidente. Paradoxal como pareça, eu torço pelo senhor, porque torço pelo povo de famintos, esfarrapados, humilhados, injustiçados e desgraçados, com o qual o senhor, em seu palácio, não convive, mas eu, que inclusive sou nordestino, conheço muito bem. E ouso recear que, depois de novamente empossado, o senhor minta outra vez e traga tantas ou mais desditas à classe média do que seu antecessor que hoje vive em Miami.

Já trocamos duas ou três palavras, quando nos vimos em solenidades da Academia Brasileira de Letras. Se o senhor, ao por acaso estar lá outra vez, dignar-se a me estender a mão, eu a apertarei deferentemente, pois não desacato o presidente de meu país. Mas não é necessário que o senhor passe por esse constrangimento, pois, do mesmo jeito que o senhor pode fingir que não me vê, a mesma coisa posso eu fazer. E, falando na Academia, me ocorre agora que o senhor venha a querer coroar sua carreira de glórias entrando para ela. Sou um pouco mais mocinho do que o senhor e não tenho nenhum poder, a não ser afetivo, sobre meus queridos confrades. Mas, se na ocasião eu tiver algum outro poder, o senhor só entra lá na minha vaga, com direito a meu lugar no mausoléu dos imortais.

2 comentários:

Anônimo disse...

"Triste o inverno de FFHH. Depois dos oito anos de governo em que prestou sacrifícios e se vergou perante o deus – de barro – Mercado, sendo reconhecido pelo povo brasileiro como um dos períodos sociais e econômicos mais tristes de nossa história"

Período econômico mais triste?
Meu amigo, eu não sou fã do FHC e muito menos do PSDB, mas falar que a parte econômica no governo dele é considerada pelos brasileiros como o período mais triste é dar uma aula de ignorância e desinformação.
FHC foi uma das pessoas que criou o Plano Real e conseguiu acabar com a inflação que era monstruosa em nosso país.
Para se ter uma ídeia aqueles marcadores de preços que eles usam nos mercados era usado toda hora...isso é, quando tinha comida para vender.Isso foi uma das "maravilhas" criadas pelo governo Sarney que hoje é aliado do seu querido Lula.
Você quer criticar o cara, pois critique ele.Você é livre para isso pois não estamos em nenhuma Cuba da vida, onde criticar o governo é assinar a própria pena de morte.
Agora, critique pelos erros que ele realmente cometeu e não distorcendo a História.

Hudson Luiz Vilas Boas disse...

Anônimo...

Esse espaço é tão democrático que inclusive "Anônimos" pedem entrar aqui e comentar o que quiserem.
No entanto aula de ignorância em História é a sua. Só pra lembrar:
No governo FFHH o Brasil quebrou por pelo menos TRÊS vezes. Entre 1995 e 2002 houve uma onda de desemprego, juros elevados à enésima potência, continuidade da política de achatamento salarial do período inflacionário, paridade cambial responsável pela quebra de diversas empresas, sucateamento dos serviços públicos e entrega de estatais para empresas estrangeiras -- até o Bresser Pereira, ex-ministro de FFHH reconhece isso hoje. Sem falar que o Estado simplesmente se omitiu do direito de regular as empresas privatizadas e se furtou do dever de intervir na economia e em setores estratégicos -- vide o Apagão!!!
Já o Plano Real, não passava de um embuste eleitoral ou você acha que o controle da inflação foi obtido única e exclusivamente por conta da cabeça iluminada de FFHH ou Itamar? O que controlou a inflação foram um sem número de medidas tomadas a longo prazo.
No mais, para falar em Sarney é bom lembrar que a primeira vez que o Senhor do Maranhão ocupou a presidência do Senado foi justamente no primeiro mandato de FFHH. Aliás, FFHH nunca se enrubesceu de ter em seu palanque Sarney, Roriz e Maluf ET caterva!!!