terça-feira, 7 de setembro de 2010

O Grito dos Excluídos e o Aprendiz de Coronel

Censura. Cerceamento da liberdade de expressão. Coronelismo. Covardia. Falta de argumentos plausíveis para debater com quem diverge de seu modo de analisar o mundo, ou mesmo falta de caráter para aceitar tanto. Essas foram as marcas do 7 de Setembro em Poços de Caldas.

E o grande protagonista de tudo isso foi o prefeito Paulinho Courominas, que mais uma vez deu razão àqueles que o acusam de não ter personalidade e constantemente fugir da raia.

Um grupo de cidadãos comuns organizados em torno de sindicatos, de pastorais, do Educafro e da Coordenação dos Movimentos Sociais de Poços teve o seu direito de liberdade de expressão cerceado pelo ilustre prefeito municipal.

O aprendiz de coronel, através dos organizadores do tradicional desfile de 7 de Setembro, tentou de todas as maneiras impedir que o “Grito dos Excluídos”, um evento que acontece em todo o Brasil no 7 de Setembro, se realizasse em Poços de Caldas.

Todavia mesmo debaixo de chuva e da ameaça de cassetetes os manifestantes não recuaram e concentraram-se em frente ao prédio da prefeitura a fim de participarem do evento, carregando consigo uma enorme bandeira com as cores do Brasil, alguns cartazes em prol do limite da propriedade rural e outros lembrando o descaso e a incompetência da atual administração para com os munícipes.

Lambanças da atual administração


Dentre outras lambanças, afinal são tantas que é até difícil enumerá-las, o “Grito dos Excluídos” destacou:

Caos do transporte público;

Demora na entrega do material escolar para alunos da rede pública municipal;

Aumento escorchante do IPTU camuflado na taxa de lixo;

Poluição da represa Saturnino de Brito;

Aprovação (por parte da Câmara com forte pressão do Executivo) do Paço Municipal em área de reserva ambiental;

Sucateamento da Festa do Uai;

Não negociação com os servidores públicos municipais sobre a data-base e tentativa de empurrar goela abaixo destes a alteração do regime jurídico para estatutário, num projeto recheado de inconstitucionalidades;

Descaso com os constantes incêndios na Serra de São Domingos;

Racionamento de água.


Manifestação


A PM e a Guarda Municipal a pedido do prefeito aprendiz de coronel, só liberaram a manifestação pacifica após o desastrado prefeito, mais os vereadores presentes ao evento e os deputados Geraldo Thadeu (PPS) e Carlos Mosconi (PSDB), ambos candidatos a reeleição em outubro próximo, terem se retirado do palanque donde haviam acompanhado os demais desfiles. Curiosamente antes do Grito dos Excluídos ter sua manifestação liberada, a frente do palanque foi tomada por cabos eleitorais do “Boneco de Ventríloquo”, Antonio Anastasia, portando enormes bandeiras da campanha do candidato a governador apoiado por Courominas, Thadeu e Mosconi.

Iniciada a manifestação o único vereador a presenciá-la foi o presidente da Câmara, Marcus Togni (PPS), justamente um dos defensores mais ferrenhos da construção do Paço Municipal, uma das principais criticas dos manifestantes nesse ano.

Sobre o tal paço, além do terreno adquirido para sua instalação ser uma área de reserva ambiental, há uma enorme duvida sobre sua viabilidade tanto política quanto financeira. Ainda assim o projeto assinado por Oscar Niemayer para a sede da futura Câmara Municipal custou ao povo de Poços a bagatela de 1,25 milhão de reais.

Imaginemos então: o quanto custará a construção em si da Câmara e dos demais prédio que o Paço Municipal deverá abrigar? Esse “quanto” é uma enorme incógnita, de cifra certamente exorbitante, para todos os cidadãos poçoscaldenses.


Fuga de prefeito, deputados e vereadores

O prefeito já era de se esperar que não ficasse, pois ele não gosta de ser contrariado. Mas os vereadores e deputados bem que poderiam ter-lhe dado exemplo de civilidade e respeito à democracia e esperado a passagem do Grito dos Excluídos.

Caso eu não esteja enganado, o único vereador a não subir no palanque ao lado do prefeito e dos deputados aliados da atual administração, foi o Professor Flávio Faria (PT), por sinal o mais coerente e combativo vereador da oposição nessa legislatura, uma das mais fracas da história política de Poços. Os demais vereadores estavam no palanque tentando tirar uma “casquinha” e foram embora antes da passagem do Grito dos Excluídos. Inclusive a pseudo-vereadora Maria Cecília Opípari, a Ciça do PSB – que se diz de oposição, mas adora posar em fotos ao lado do aprendiz de coronel e sempre se reúne com ele e a sua bancada de apoio no prédio da Francisco Salles, além de já ter declarado que a construção do Paço Municipal será positiva, pois este poderá se tornar mais um "ponto turístico" na cidade – correu e não quis presenciar a passagem dos manifestantes.

Aliás, essa menina é das mais oportunistas que já vi. Em sua campanha rumo a Câmara de Vereadores se portou como uma legitima demagoga, prometendo ações fora da alçada do edil e atacando histericamente a administração Navarro por todos os lados, muitas vezes com denúncias infundadas. Também chegou a se autodeclarar representante dos movimentos sociais sem, no entanto, jamais ter participado de qualquer um.

Encerramento


Mesmo sem o ato de civilidade e o conseguinte gesto de desrespeito à democracia protagonizada pelo prefeito, pelos deputados e pelos vereadores – a exceção de Marcus Togni – o Grito dos Excluídos seguiu adiante, cantando a simbólica “Caminhando e Cantando” e depois com palavras de ordem do tipo: “Cansado sou eu de ser explorado” – em alusão a implantação do SIGA(O)– e “um, dois, três, quatro, cinco mil, o Paulinho fugiu” para depois encerrar de maneira democrática e com efusivos aplausos da população presente a sua participação no 7 de Setembro.

4 comentários:

Eulália disse...

Estive ontem no centro e notei como os mandatários locais tratam os movimento sociais. Também achei estranho a Ciça sair correndo, mas alendo o seu texto entendi o porquê.

Giñazu disse...

infelizemte Poços ainda é uma cidade muito conservadora e nossos políticos tem a cabeça atrasada, essa Ciça é só mais uma dessas pessoas

Luciano Vieira disse...

Oi Hudson, muito bom seu blog! Preciso tirar um momento com vc para conversar e trocar umas idéias.
Quanto a postura da Ciça não é novidade alguma, apenas a triste surpresa de ser tão frágil diante de um pouco de poder. Sucumbiu aos caprichos, delícias, frescores, bonanças e elogios duvidosos de alguns que atacavam a própria administração que ela trabalhou.
Mas sobre a campanha eu discordo em alguns pontos. Tenho que defender porque mergulhei de cabeça naquilo sem conhecer melhor a imagem de quem eu estava defendendo. Era alguém sem expressão nenhuma e sem um caminho claro a seguir que com muito esforço e sinceridade, doados por um tanto de gente boa empenhada na campanha, conseguiu transmitir confiança suficiente para sair dos míseros 200 e 300 votinhos e alcançar 1108 votos. O propósito das propostas de campanhas eram sinceros e objetivos mas se estivessem no coração de alguém comprometido e verdadeiro. Ciça só refletiu naquele 7 setembro um sentimento que ela nutri - ou seja que ela nunca de fato teve gratidão aos seus companheiros.

Hudson Luiz Vilas Boas disse...

Luciano

Obrigado pelo comentário. Talvez eu tenha me expressado mal quanto a campanha da Ciça. Sei que pessoas sérias se doaram por ela e por um objetivo em 2008. Também sei da sinceridade de muitos que lhe deram o voto. Entretanto, parece que ela não soube retribuir esses gestos. Conheço ela a algum tempo, a uns 8 anos, e, embora nunca tenha trocado mais que meia dúzia de palavras com ela, sei o quanto é rasa intelectualmente e não possui qualquer ideologia. Em suma, é uma pessoa em quem eu jamais depositaria confiança para me representar em qualquer lugar que fosse.
No mais, saudações desse companheiro de lutas.